quarta-feira, 30 de junho de 2010

The itsy bitsy spider e outras estórias

“The itsy bitsy spider climbed up the water spout
Down, came the rain and washed the spider out
Out came the sun and dried up all the rain
And the itsy bitsy spider climbed up the spout again”
Canção de ninar musicada por Carly Simon

Esta noite sonhei com você.


Sei que não deveria, afinal várias décadas e alguns casamentos depois, cada um seguindo seu rumo, constato que são apenas fragmentos de situações do passado que meus sonhos reproduzem.


Nesta época de Copa do Mundo, quando torcemos juntos e choramos um título que somente alguns anos depois comemoramos, então já apartados, isto se torna mais forte nas lembranças.


Como saber que o sonho era com você se somente vi sua orelha coberta com os cabelos castanhos? Minha certeza é simples, pois naquela época,qual gado marcado,sua imagem ficou impressa,como ferro em brasa,nas minhas melhores e piores memórias.


Lembrei da rima que você cantava e que nós dois, muito jovens,de braços dados,dançávamos numa Avenida Atlântica ao entardecer.


Fiquei o dia todo com sua imagem e sua voz e não tive como deixar de te escrever. Talvez você leia, ou não esta estória, mas o meu transbordamento de afeto, com as bitter sweet memories me acalenta.


Quem sabe um dia nos encontramos de novo, assim como a obstinada spider?

***
Texto: João Siqueira
Foto: Luciana Monteiro

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Cursos de Jornalismo - Gratuitos

A AIB está oferecendo uma série de cursos gratuitos para jornalistas, estudantes de jornalismo, empresários, líderes comunitários e profissionais liberais em geral. O primeiro curso será no dia 28/6 e será um intensivo de Assessoria de Imprensa. Até 23/8, a Associação estará oferecendo a possibilidade de capacitação e atualização dentro da área de jornalismo.


Agenda:

ASSESSORIA DE IMPRENSA dia 28/06 (segunda-feira) – Curso intensivo 9:00 às 17 horas, com parada para almoço às 12:30, retornado às 14 horas

- Montagem de uma assessoria de Imprensa; Captação de clientes; Gerenciamento de informações; Press release; Clipping; Mailling list; Captação de clientes; Relacionamento com a mídia.


TÉCNICA DE JORNALISMO dia 19/7 (segunda-feira) - Curso intensivo 9:00 às 17 horas, com parada para almoço às 12:30, retornado às 14 horas

- Práticas de linguagem; Elaboração de pauta; Entrevista e redação de texto; A relação entre entre notícia e reportagem.

WEBJORNALISMO dia 9/8 (segunda-feira) - Curso intensivo 9:00 às 17 horas, com parada para almoço às 12:30, retornado às 14 horas. Curso somente para quem possui um laptop.

ASSESSORIA DE IMPRENSA 23/8 - Curso intensivo 9:00 às 17 horas, com parada para almoço às 12:30, retornado às 14 horas.

Ao atingir o número de 40 pessoas (número máximo do auditório), não será aceita novas inscrições nos cursos. Aproveite esta chance. Inscreva-se hoje pelo e-mail portalaib@aib.org.br. Todos inscritos receberão um e-mail de confirmação ao atingir o número de no mínimo 10 alunos. Será fornecido certificado de participação.


Serviço:

Local dos cursos: Avenida das Américas 3333, auditório Blue Chip.
Todos os cursos gratuitos.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

HEY JUDE



Hey Jude, don't make it bad.

Take a sad song and make it better.
Remember to let her into your heart,
Then you can start to make it better.

Lembro-me com saudades desta música, tocada na vitrola de uma festinha numa cobertura perto do Copacabana Palace quando eu era adolescente. Talvez tenha sido a primeira vez que dancei coladinho com uma garota, tão tímida quanto eu, mas ao mesmo tempo tão diferente de mim, como o tempo mais tarde revelou.
Isto me veio a memória hoje, neste dia frio, pois incrivelmente quando sai pela manhã de carro, Hey Jude tocava num destes programas nostálgicos da Rádio JB. Cheguei até a me lembrar do casaco branco de lã que usava na tardinha, e dos cabelos escuros e curtos, o rosto avermelhado de frio e embaraço da garota com quem dançava.
Não tenho certeza absoluta se o seu nome era Angela, mas é bem provável que sim, uma vez que sempre associo este primeiro Hey Jude dançado a este nome, talvez pela singela representação que Angela possa ter.
Não fazia a menor idéia do que a música dizia, mas os seus maravilhosos intermináveis minutos, com os “da da da da da Hey Jude” do final, me fizeram ficar mais tempo com a minha Jude.
Os anos se passaram, outras Judes vieram e se foram, outras danças aconteceram e um dia destes revejo esta primeira Jude-Angela, que me reconhece e vem falar comigo.
Recorda dos tempos do colégio, fala sobre o que faz e já fez, porém de uma forma tão desconexa e delirante, que logo percebo quão fora do prumo, da régua e do compasso essa Angela-Jude hoje está.


And anytime you feel the pain, hey Jude, refrain,
Don’t carry the world upon your shoulders.
For well you know that it’s a fool who plays it cool
By making his world a little colder.

Despedi-me entristecido pela constatação que nem os Beatles e nem o tempo voltam jamais, e os “da da da” daquela época quem sabe sejam os “dadas” de hoje, na acepção do dadaísmo como a defesa do absurdo, da incoerência e do caos.
Aumento o volume do rádio, e mesmo desafinado, canto bem alto o “da da da” final de Hey Jude, mesmo com alguma lágrima caindo, ação certamente do vento frio desta manhã.

***
Texto: João Siqueira
Foto: Luciana Monteiro

segunda-feira, 21 de junho de 2010

sábado, 19 de junho de 2010

Livros que estou lendo

1. Jornalismo internacional em redes (Pedro Aguiar)
para o site de redação jornalística

2. Fon-fon! Buzinando a modernidade (Eliane Corti Basso)
para o projeto de pesquisa

3. Mulheres em revista - o jornalismo feminino no Brasil (vários)
para o projeto de pesquisa

4. Comunicação verbal e não-verbal (Maria Lenira Alcure)
para trabalho da arte na publicidade

5. Coletânea de cultura e consciência social (vários)
para trabalho da arte na publicidade

6. Introdução a comunicação e artes (Denise Alvarez)
para trabalho da arte na publicidade

7. A ordem do discurso (Michel Foucault)
para análise do discurso e a interdição da sexualidade

8. Foucault em 90 minutos (Paul Strathern)
para entender Foucault e poder fazer o trabalho acima!


***
ps1: to chocada e triste pela morte de José Saramago ontem.

ps2: fazer fotos de modelo em estúdio é muito difícil ! Sou mesmo uma fotógrafa de rua !

sexta-feira, 18 de junho de 2010

ELEANOR LUCIANA


Eleanor Rigby
Outro dia passeando pelas ruas do meu Rio, num dia sem chuva, com o sol ainda receoso de se mostrar, no caminho da praia para o centro da cidade, um dia quase útil, pois se espremia entre feriados, vi Eleanor Rigby caminhando e, com um sorriso triste, olhou para mim.


Infindáveis Eleanores Rigbys transitam na cidade, esbarram em nós na fila do banco, no restaurante a quilo, na espera do filme ou da peça, na loja de conveniência ou no supermercado.

Todos nós, homens e mulheres também Rigbys na vida, caminhando pelo Rio.

Na mesa de um barzinho na Glória, com um copo de cerveja como companheiro somente, nos corredores da Livraria da Travessa, no píer da Barra olhando o mar, sentado ao lado da estátua de Drummond, num ônibus super apertado , na Casa França- Brasil ou passeando com um sua gata pelo Leblon, vejo mais Rigbys.

Penso às vezes, que este aparecimento é sazonal, pois basta trocar as estações e o inverno se aproximar, mais e mais Rigbys vemos cruzando nosso quase ensolarado caminho.

Quem sabe basta um oi, uma gentileza de abrir uma porta, uma frase, um obrigado para que as cores apareçam onde só parece existir o cinza, imagino.

Eleanor precisa de muito pouco quando o verão chega, uma vez que já ultrapassou o inverno interior salpicado de chuva e frio.

Respondo o sorriso triste de Eleanor,lembrando a canção:

All the lonely people
Where do they all come from?
All the lonely people
Where do they all belong?

***
Texto: João Siqueira
Foto: Auto-retrato Luciana Monteiro (máquina no tripé)

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Debaixo das copas das árvores


O ônibus entrava lentamente na rua da escola e por um motivo ou outro não sentia vontade de sair, ficando olhando através do teto, dos olhos, dos sentidos, para as copas das árvores que desfilavam acalentadas pelo vento suave, tendo um céu verdadeiramente azul por trás. Às vezes quando o céu se fazia cinza e o verde esmeralda virava petróleo, a vontade de permanecer ficava mais forte.


Disto me lembro bem, e passados alguns anos ainda me faz suspirar por aquele tempo. Alguns quilômetros e muitos anos não apagam aquela sensação quando vejo as copas das árvores perto da minha atual casa ou quando passeio me lembrando de planos e sonhos impossíveis .

Parecida com o contraste de odores fortes do mercadinho que já não há mais, onde junto com os salgados também havia o cheiro das frutas e da padaria e eventualmente na esquina próxima uma barraquinha com flores do campo e rosas vermelhas. Lembro-me do perfume das rosas, que naquele tempo tinham aroma forte .Os aromas do passado resgatam o frasco, às vezes fechado, das memórias...

Vislumbro copas de árvores vistas por baixo, aguardando o momento de olhá-las por outra perspectiva e destrancar o pequeno frasco perdido nos desvãos do tempo.

Imagino que o vento sobre as copas das árvores seja como uma carícia prometida e esperada e sorrio com simplicidade e paz, além da esperança pelas novas árvores que continuam nascendo!

Texto: João Siqueira
Foto: Luciana Monteiro

terça-feira, 15 de junho de 2010

Brinquedos e Lembranças


Ao ver fotografias da feira da Praça XV, feitas por uma jovem artista, Luciana, lembrei-me dos brinquedos da minha infância e fui a procura deles nos baús da memória e dos meus guardados. Não via o meu pião há algumas décadas.

Lembro-me vagamente de um garoto magrinho jogando pião, amarrando com barbante de padaria, que fazia a vez da fieira, na pracinha do Bairro Peixoto, numa Copacabana que não mais existe.

Nunca fui um expert na nobre arte de lançar o pião, mas conseguia, esporadicamente faze-lo rodopiar na terra batida da pracinha, ainda novo e perfeito , sem cortes, marcas, desilusões ou entraves.
Naquele tempo a garotada se dividia em três grupos, o do pião, o da pipa e o da bolinha de gude. Este último grupo nunca me atraiu, pois na realidade era um jogo. O da pipa demandava um certo jeito para artesanato o que não era o meu forte e me encontrei com a introspecção do pião, pois convinha mais ao meu jeito de ser, uma vez que poderia prescindir de outros para jogar (ou assim pensava).

Observava o pião girando, rodopiando e caindo quando o movimento cessava.
Aí enrolava a fieira, e tentava novamente fazer o pião girar, talvez com um tempo maior para observar.
Como ainda não sabia nada sobre física quântica e a vida, não entendia que também o pião me observava e enquanto eu pensava que ele girava, quem girava para o pião era eu. Eu também pião na vida.
Revejo hoje o meu antigo pião e a letra da música me surgiu imediatamente:

“Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...”

Guardei meu pião, companheiro de giradas inesquecíveis e de caídas ainda maiores.
Procuro novamente uma fieira, a velha já não há, perdida nos desvãos do tempo, enrolo no pião, me encaminho para uma pracinha mágica e o lanço...
Veja como ele é bonito girando! Ao longe vejo um bilboquet no fundo do baú...
As fotos da Praça XV e as memórias se completam...

Texto: João Siqueira
Foto: Luciana Monteiro

As surpresas boas da vida

Bom, vocês já sabem que eu trabalho de jornalista e fotógrafa num condomínio, o RIO2 (Barra da Tijuca - RJ), tenho tido contatos com muitas pessoas interessantes, administradores, síndicos, empresários e moradores daqui. Mas tem um administrador em especial, o Sr. João Siqueira. Viramos parceiros, como ele mesmo diz. Parceiros de crônicas. Ele com seus textos. Eu com minha fotos.

Em pouco tempo que ele tem conhecido minhas fotos, através da revista e site do condomínio, e do meu FLICKR, tem produzidos textos reveladores. Já ganhei três. E criei uma pasta no meu pc do trabalho: "Textos do João", porque sei que vem muito mais por aí e não quero perder nenhum.

"Brinquedos e Lembranças" é o primeiro texto. Depois vem "Debaixo da copa das árvores" e o surpreendente "Eleanor Rigby".

Eu colocarei todos aqui no blog com as minhas fotos.

São surpresas assim que fazem a vida, o trabalho e o cotidiano valerem a pena.

Obrigada Sr. João.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Minha Primeira Capa de Revista

Rio2 em Revista, revista do Condomínio onde eu trabalho desde Fevereiro, na edição de Junho veio com várias matérias e fotos feitas por mim.

E o melhor de tudo, a FOTOGRAFIA DA CAPA É MINHA !

Olha eu toda boba ontem com a revista em mãos !


segunda-feira, 7 de junho de 2010

FEMINA 2010

Festival Internacional de Cinema Feminino

Femina, chega a sua sétima edição em 2010, começa hoje e apresenta em sua abertura o filme Engelen, da diretora norueguesa Margreth Olin (vencedora do Femina 2006).

  • As competições serão:
Competitiva Brasileira de longas e curtas
Competitiva de longas e curtas Internacionais

  • A Personalidade Feminina homenageada este ano será a diretora da Cinédia Alice Gonzaga.
  • O país convidado e homenageado deste ano é a Dinamarca, com lançamento de filmes e uma mostra especial que representa sua produção feminina recente.
  • O Fórum de Debates, mais uma vez, conta com a participação de diversos convidados e com a parceria da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, do Instituto Avon, do UNIFEM – Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher e do Fundo Social Elas.
  • Sessões especiais temáticas como a Masculino-Feminino, Eu Gosto é de Mulher, Dividindo a Conta, Programas Infantis, entre outras.
De 07 a 13 de junho
Na Caixa Cultural RJ
Av. Almirante Barroso, 25. Centro. Rio de Janeiro.

Mais informações:
http://www.feminafest.com.br/

sexta-feira, 4 de junho de 2010

A sinestesia do dia

Acabei de chegar do Centro da cidade. Eu e Sarah almoçamos no Joe e Leo´s de Botafogo e depois fomos pro Centro Cultural da Caixa Econômica ver as exposições que estão lá:
  • World Press Photo 10 - o maior e mais importante prêmio do fotojornalismo mundial. Já falei disso aqui no meu bog quando a exposição começou aqui no Rio.
  • Traços de Nova York  - mostra que reúne 150 trabalhos do artista uruguaio Torres García. As obras foram realizadas no período em que ele morou em Manhattan, de 1920 a 1922.
  • Segredos - 15 telas e 4 esculturas que tem por objetivo provocar reflexões no público. E provocam mesmo, as esculturas, como posso dizer? são interativas, toque nelas e fique com as mãos sujas de óleo, de tinta escura etc (só sensação agradável...rs). Mas que mexem mesmo com o público, tirando-o da passividade. Adorei as esculturas interativas, apesar de ter caído em tentação no labirinto de cruzes e ter sujado o dedo de graxa (rs) !

    Na Caixa, nosso amigo Jean juntou-se a nós para vermos as exposições.



    Depois fomos na feira de livros que está acontecendo no Largo da Carioca , ao lado da Caixa Cultural.
    Comprei mais 2 livros de Clarice:
    • Onde estivestes de noite
    • A via crucis do corpo

      Andamos pelo Camelódromo da Uruguaiana, e nos surpreendemos com a quantidade de coisas sendo vendidas e a quantidade de pessoas que estavam por lá numa sexta-feira a noite. Camelódromo é point de bebidas e comidas ! Os camelôs que vendem CDs e DVDs piratas tem até DJs !
      Junta muito carioca pra comer churrasquinho de rua e beber cerveja ao som dos pancadões dos camelôs-djs. Noite típica carioca.

      Foram muitas experiências para um dia só. Começamos no Joe e Leo´s e terminamos no Camelódromo.

      Vim pra casa lendo os livros de Clarice.

      Dia perfeito.

      quarta-feira, 2 de junho de 2010

      O que recebi da minha amiga Edilaine


      De: Edilaine Matos de Oliveira
      Enviada: terça-feira, 1 de junho de 2010 23:04:27
      Para: Luciana Facul; Jean Carlos; Sarah Mourão

      Esta semana descobri.

      Descobri que a SAUDADE é a sétima palavra mais difícil de se traduzir,
      E hoje descobri que mais difícil que traduzir a saudade,
      É não poder tão frequente quanto antes desfrutar de momentos felizes com vocês,
      Sei que as lutas e dificuldades são muitas, mais com a ajuda de Deus venceremos todas,
      Sei que todos temos nossos temores e anseios,
      Mas sei que posso compartilhar todos com vocês,
      Sinto saudades, saudades de nosso macarrão na panela de pressão,
      Saudade do inesquecível passeio a Rio das Ostras
      (e em especial a JP, Lú)


      Saudade de não ter nada pra fazer e sempre arrumar algo.
      Somos invejados,
      Invejados por nossa amizade,
      Todos dizem que o quarteto fantástico é a Panela,
      Sim somos, a melhor panela de amizade que ultrapassa os limites da faculdade.
      Palavras brotam sem fim para traduzir o quanto os amo...
      Mais se eu colocasse tudo em um só e-mail haveria uma pani na web,
      por isso fico por aqui,
      mas quero que saibam que vocês são as coisas mais importantes da minha vida,
      Quando estou junto de vocês esqueço meus problemas e temores,
      Mesmo com tantas diferenças que possuimos uns dos outros nos completamos.


      Estou com saudades....


      AMO VOCÊS QUERIDAS AMIGAS LÚ, SARAH E QUERIDO AMIGO JEAN


      DE: EDILAINE MATOS


      terça-feira, 1 de junho de 2010

      Sobre a leitura

      Livros que tenho lido estes dias:

      1. A DITADURA DA BELEZA E A REVOLUÇÃO DAS MULHERES (AUGUSTO CURY)
      para o Projeto de Pesquisa de Metodologia: A influência da fotografia publicitária nas mulheres do século XX

      2. JORNALISMO INTERNACIONAL EM REDES (PEDRO AGUIAR)
      para o site de Redação Jornalística

      3. FON-FON! BUZINANDO A MODERNIDADE (Artigos sobre a antiga revista Fon-Fon!)
      para o Projeto de Pesquisa de Metodologia: A influência da fotografia publicitária nas mulheres do século XX

      4. MANUAL DE REDAÇÃO DE JORNALISMO ON-LINE (EDUARDO DE CARVALHO VIANA)
      para o site de Redação Jornalística

      5. DOM QUIXOTE DE LA MANCHA (MIGUEL DE CERVANTES)
      já li, mas ganhei um exemplar lindo do meu namorado e li novamente.